segunda-feira, 28 de julho de 2014

Campina Verde – Pela primeira vez na história do município, funcionários públicos municipais fazem paralisação


A cidade de Campina Verde amanheceu nesta segunda-feira, um dia atípico, apesar da baixa temperatura, uma manifestação dos servidores do município movimentou as ruas da cidade.
A manifestação que teve início na Avenida 23, onde os servidores se reuniram na sede do CEREA e de lá caminharam com faixas por algumas ruas do centro da cidade até a porta da prefeitura, não sendo recebidos por nenhum representante da administração municipal, já que a prefeitura estava fechada.
Pela primeira vez no município de Campina Vede, funcionários públicos municipais paralisaram as atividades devido aos atrasos no pagamento de seus salários.
De acordo com informações do Sindicato da categoria, funcionários vêm sofrendo com atrasos salariais de até dois meses e meio, além disso, o município não realiza o pagamento devido dos valores do FGTS dos servidores desde o mês de junho de 2013.
Diante da situação, uma assembleia dos servidores foi realizada na semana passada, com a presença de 127 funcionários do município, dos quais, 123 votaram em favor da paralisação nesta data.
Durante a assembleia eles escolheram uma comissão, a qual já esteve reunida com o prefeito municipal dando ciência da greve. Na ocasião o prefeito municipal apresentou propostas aos membros da comissão de greve as quais serão apresentadas em assembleia geral na tarde desta segunda-feira, cabendo aos servidores decidir pela continuidade ou não da greve. (A comissão de greve que esteve reunida com o prefeito municipal não informou à imprensa o teor das propostas)
Mas a situação do município não se resume somente em atrasos de salários e recolhimentos de FGTS dos servidores, dentre outras coisas, sabemos que o município tem perdido alguns recursos nos últimos meses devido à falta de apresentar documentos, ou seja, recursos públicos direcionados por parlamentares que necessitam da apresentação de certidões negativas de débitos.  
Exemplo de um recurso que o município deixou de receber foi uma emenda parlamentar, destinada pelo deputado federal Zé Silva, no valor de R$100 mil, que deveria ser utilizado para aquisição de um veículo para atender os serviços de saúde do município.

Durante a manifestação ocorrida na manhã de hoje, os servidores municipais receberam o apoio dos vereadores, João Silva Filho, Olívia Nahass, Alan Borges e João Batista Barbosa, os quais, em entrevista ao radialista (Rádio Cidade FM) Valter Galdino falaram sobre a situação dos servidores.
O vereador Mário Machaim Franco também informou à reportagem do Blog de Notícias Campina Verde que é solidário à manifestação dos servidores públicos do município, porém não pode estar presente na data de hoje por estar em viagem para a cidade de Ituiutaba.
Confira as entrevistas nos áudios abaixo:




domingo, 27 de julho de 2014

Campina Verde - Cidade está se transformando em “depósito ao ar livre” de entulhos

 E os problemas dos depósitos de lixo em caçambas parecem não ter fim. A cidade de Campina Verde vem se transformando em um depósito ao ar livre de lixos, composto por todos os tipos, desde o lixo doméstico, restos de material de construção a ossadas de animais, que certamente são abatidos de forma clandestina e a ossada despejada nas caçambas e nas imediações.
Uma ação da prefeitura que poderia minimizar a questão do descarte de lixo doméstico vem se transformando em desastre ambiental e visual.
A reportagem do Blog de Notícias Campina Verde registrou na manhã de hoje (27/07), logo na entrada da cidade, pelas rodovias MG 497 e BR 364, duas caçambas, que devido à chuva vem acumulando água, misturada com todo tipo de lixo naquele local. Como pode ser visto através das fotos, percebe-se que as referidas caçambas foram esvaziadas recentemente, já que no interior contém pouca quantidade de lixo, mas ao redor, uma grande quantidade de lixo espalhado. Vários sacos, pneus velhos e carcaças de animais que estão ao ar livre, espalhados e a mercê dos cães de rua que estão fazendo do local um ponto para saciar a fome.
Se não bastasse este problema de um visual deplorável, na entrada da cidade, a menos de 50 metros, está localizado um restaurante que foi inaugurado recentemente, onde o proprietário certamente efetuou um grande investimento, inclusive para adequação às normas de vigilância sanitária.
Onde estaria a vigilância sanitária, o setor de meio ambiente, CODEMA ou a fiscalização da prefeitura? Sim, pois as caçambas são terceirizadas ou contratadas pelo município, portanto é de responsabilidade do município exigir a prestação de serviço adequada.
Sabemos que a população também não colabora, pois jogam lixo fora das caçambas, mas já registramos ocasiões em que as caçambas estavam superlotadas e que por este motivo os lixos eram descartados nas imediações. E ao recolher o lixo das caçambas, o excesso, ou os lixos espalhados nas imediações não são recolhidos? Não sendo recolhidos, eles se espalham pelas imediações, para o meio da mata causando enormes danos ao meio ambiente.
Além dos danos ao meio ambiente, a imagem é um péssimo cartão postal da cidade também prejudica o visual do novo restaurante que se instalou muito próximo dali, questões que deveriam ser mediadas pela administração municipal, já que a instalação de novos empreendimentos é louvável para o município.  




Campina Verde - Caminhões enfrentam atoleiros na BR 364, no trecho após a Ponte do Rio Verde, sentido à cidade de Itapagipe/Frutal, tráfego deverá ser restrito

Motoristas de caminhões e carretas que trafegam pela Rodovia BR 364 estão enfrentando um trecho de atoleiro. Na manhã deste domingo a reportagem do Blog de Notícias Campina Verde registrou engarrafamento no trecho após a Ponte do Rio Verde, já no município de Itapagipe, onde aproximadamente 40 veículos estavam parados, a maioria caminhões e carretas carregadas.
De acordo com uma equipe da Polícia Rodoviária Estadual, da cidade de Iturama que estava no local, o problema havia ocorrido no meio da noite, quando uma carreta que não conseguiu transpor o atoleiro, ficou atravessada na rodovia.
A Rodovia que já recebeu pavimentação enfrenta uma “delonga” ao longo dos últimos anos em um trecho de aproximadamente 1 km que é a Ponte do Rio Verde.  
Em maio de 2013 a reportagem do Blog de Notícias Campina Verde, publicou matéria referente à ponte, ocasião em que o vereador Mário Machaim Franco, através da Câmara Municipal requereu ao supervisor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - Dnit do município de Pratam o Projeto Técnico, bem como o Cronograma de Execução da Obra da Ponte do Rio Verde.
Na ocasião o supervisor informou que o órgão não possuía cronograma oficial, bem como Projeto Técnico para execução da referida ponte e que sua construção estaria dependendo da liberação de uma licença ambiental, expedida pelo IGAM - Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Nesta ocasião, os serviços de construção da ponte estavam em andamento e pelo que se vê superficialmente a ponte está concluída, faltando, porém a construção do aterro, mas as obras estão paralisadas.
E bastaram apenas dois dias de chuvas finas para que o pequeno trecho de aproximadamente 1 km se tornasse um atoleiro, dificultando o tráfego e causando engarrafamentos, e o que é pior, no local os motoristas reclamaram que não receberam nenhuma assistência do município ou da empresa responsável pela obra, que não disponibilizou máquinas no local para puxarem os veículos pelo lamaçal, sendo que muitos deles tiveram que pernoitar na rodovia.
A obra é federal, porém, não se tem notícia de nenhuma intervenção dos gestores municipais da região em prol de sua conclusão. A Rodovia BR 364, neste trecho que corta a região é uma obra marcada por muita luta e mobilização ao longo dos anos, portanto, a mobilização e intervenção em prol de sua conclusão não podem parar. É lamentável esperar que mais um período chuvoso possa chegar e trazer realmente o caos naquele local, pois aí sim, o trecho vai tornar-se intrafegável.
Na manhã deste domingo, uma guarnição da Polícia Rodoviária da cidade de Iturama, composta pelos militares, Sd Albanez e Cb Nilton César estavam no local e informaram que possivelmente teriam que interditar parcialmente o trânsito para caminhões e carretas, caso a chuva persistisse. já que a estrada está afundando ainda mais o atoleiro.
A obra da rodovia BR 364, está inscrita através do processo 50600.000146/2002-34, cuja licitação foi vencida pela empresa “Construtora Brasil” e o numero do contrato é 149/1998.
Confira mais fotos do local:











sábado, 26 de julho de 2014

Candidato ao Governo de Minas, Pimenta da Veiga falou sobre a crise sucroalcooleira e desemprego na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba 

O candidato ao Governo do Estado pela Coligação Todos por Minas, Pimenta da Veiga (PSDB), denunciou, na noite de quarta-feira (23/07), em Frutal, a grave situação do setor sucroalcooleiro, que afeta diretamente milhares de famílias que dependem da produção do álcool em Minas Gerais, principalmente nas regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Durante encontro com lideranças políticas e produtores do setor, ele atribuiu o fechamento de usinas e consequente desemprego nas regiões à má administração da Petrobras, que atingiu negativamente o setor energético em todo o país.
“Ao destruírem a Petrobras, atingiram um setor pelo qual tenho uma grande admiração, pelos empregos que geram, pela garantia do meio ambiente, pelos impostos que pagam: o setor sucroalcooleiro, que é tão importante para o Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Quantos empregos, quantas famílias dependem da produção do álcool, que foi fortemente atingido pelo que fizeram com a Petrobras”, disse Pimenta da Veiga. “Assusta-me o que pode acontecer: já se fala em 20%, 25% até 30% do aumento do preço da energia. O país não precisa continuar nessa direção”, alertou.
Minas Gerais é o segundo maior produtor de açúcar do país e o terceiro na produção de cana de açúcar e etanol. No período de 2003 a 2009, graças às articulações e estímulos do Governo do Estado, 23 novas usinas se instalaram em Minas Gerais. Só as regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba chegaram a abrigar 26 usinas. A falta de incentivo ao uso do etanol, no entanto, tem revertido esse quadro. Nos últimos cinco anos, em todo o Estado, oito usinas foram fechadas. E, desse total, quatro estão no Triângulo e Alto Paranaíba.
A região abriga atualmente 22 usinas que empregam cerca de 65 mil trabalhadores. Segundo a Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais, nos últimos cinco anos, foram mais de 8 mil demissões, o que representa também a perda da moagem de 8 milhões de toneladas de cana e cerca de 600 milhões de litros de etanol. Segundo Pimenta, esse cenário reforça a importância da eleição de Aécio Neves como presidente da República, com quem pretende, caso eleito governador, somar esforços para reverter a situação de desemprego no setor.
“O apoio aos produtores requer atuação eficaz dos governantes. Com toda certeza, Pimenta da Veiga, futuro governador de Minas, será o grande líder destes novos avanços. O Triângulo Mineiro se transformará, cada vez, não só num celeiro da agropecuária nacional e internacional, porque já o é, mas, também, em um polo da indústria e da inovação, impulsionando a economia local e, por consequência, de todo o estado”, afirmou o candidato a senador, Antônio Anastasia, que acompanhou Pimenta da Veiga no encontro com lideranças em Frutal.
Petrobras
A política de preços adotada pela Petrobras nos últimos anos desestimulou o consumo de etanol para o abastecimento de veículos. Além disso, a maior empresa brasileira, administrada pelo governo federal, é alvo de pedidos de instalação de comissão parlamentar de inquérito (CPI) no Congresso Nacional, devido à suspeita de compra superfaturada de uma refinaria nos Estados Unidos e de pagamento de propina a funcionários da empresa por uma multinacional holandesa. Os obstáculos da empresa envolvem também os preços dos combustíveis praticados no Brasil, seu alto grau de endividamento e investigações sobre suposto recebimento de propina por funcionários em negócios com a empresa holandesa SBM Offshore.
Candidato ao Governo de Minas Pimenta da Veiga se reúne com lideranças da região na cidade de Frutal e destaca importância da Hidroex para a região
O candidato do PSDB ao governo de Minas, Pimenta da Veiga, estava acompanhado dos candidatos a vice, Dinis Pinheiro, e ao Senado, Antonio Anastasia


A população de Frutal e da região recebeu na última quarta-feira (23/07), o candidato ao Governo do Estado pela Coligação Todos por Minas, Pimenta da Veiga. Ele esteve acompanhado pelos candidatos a vice, Dinis Pinheiro e ao senado, Antonio Anastasia. Além deles, estiveram presentes o candidato a deputado federal Caio Nárcio, secretário de estado, Nárcio Rodrigues e o deputado estadual Zé Maia, além de diversos prefeitos, vereadores e lideranças da região que marcaram presença no lançamento da campanha  tucana na região.

Ao chegar a Frutal, Pimenta da Veiga, Dinis Pinheiro e Anastasia foram recebidos com festa por lideranças políticas, militantes e populares. Eles percorreram as principais vias da cidade em carreata até a sede do Rotary Club, onde os candidatos se reuniram com lideranças políticas da região.
Pimenta da Veiga se disse impressionado com a receptividade de toda a população. “A carreata que fizemos foi muito agradável, fui muito bem recebido e a gente sabe quando a população está satisfeita em ver os candidatos. Foi o que sentimos hoje”, comemorou.
Durante o encontro, Pimenta da Veiga destacou o Instituto Hidroex - Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas como um marco na região. A inciativa vai agrupar várias instituições estaduais, federais e internacionais com foco em pesquisa, educação e capacitação em águas, com participação do Governo de Minas e chancela da Unesco.
“Estou voltando a Frutal. Estive aqui há alguns meses em uma reunião regional extremamente interessante e, agora, estamos aqui discutindo as questões especificamente de Frutal. Frutal é uma cidade que admiro muito, porque tem algumas marcas muito fortes. Aqui estão alguns grandes empreendedores do campo, mas há também a Cidade das Águas, a Hidroex, que é outra atividade importante e que vai deixar Frutal em posição diferenciada em relação às demais cidades de Minas”, disse Pimenta da Veiga.
No total, R$ 80 milhões estão sendo investidos no complexo Uemg/Hidroex. A Universidade do Estado de Minas Gerais já inaugurou um prédio ao lado do Hidroex com 33 salas de aula e outro prédio, com a mesma quantidade de salas, já está em fase final de construção. Juntos, Uemg e Hidroex compõem a Cidade Universitária de Frutal, também chamada de Cidade das Águas.
O ex-governador Anastasia, candidato ao Senado, citou os investimentos estaduais destinados a Frutal nos últimos anos. Para ele, o município se transformou na última década. “Não só na parte econômica, mas na infraestrutura – as estradas, o aeroporto, a consolidação da Uemg - a estadualização primeiro -, depois o Hidroex, que é uma referência internacional. Frutal hoje é uma cidade completamente diferente do que era 12 anos atrás”, ressaltou.

De Campina Verde, marcaram presença no encontro o ex-prefeito Fradique Gurita, os vereadores Mário Machaim e João Silva, os diretores do Sindicato Rural, Wagner Faria e Uander Leonel "Baiano", além do ex-vereador Benício Freitas, radialista Valter Galdino e demais incentivadores da campanha.
Confira mais fotos do encontro:








quarta-feira, 23 de julho de 2014

Funcionários do município de Campina Verde poderão entrar em greve pela primeira vez

Diretoria do Sindicato
Em 75 anos de história do município, os trabalhadores da rede municipal de Campina Verde poderão realizar a sua primeira greve. A categoria decidiu, em assembleia geral, paralisar as atividades, a partir do próximo dia 28, após várias tentativas e ações realizadas pela Diretoria do Sindicato da categoria, em razão dos constantes e reiterados atrasos pelo Município de Campina Verde, no pagamento dos salários e no pagamento do FGTS dos servidores públicos municipais.
Durante a assembleia, a assessora jurídica do Sindicato, advogada Valtiva Maciel Mendes informou aos funcionários todas as ações efetuadas pelo Sindicato junto ao executivo e aos demais órgãos competentes, em razão dos constantes e reiterados atrasos pelo Município de Campina Verde, no pagamento dos salários e no pagamento do FGTS dos servidores públicos municipais, porem sem nenhum efeito positivo até o momento.
Desde meados do ano passado, os servidores vêm sendo prejudicados pela falta de depósito do FGTS por parte do município, além disso, vem ocorrendo reiterados atrasos no pagamento dos salários dos servidores, causando transtornos à maioria, especialmente os que recebem menor remuneração.
De acordo com o Sindicato, no que se refere ao atraso no depósito do FGTS, o valor devido pelo município é de aproximadamente 2 milhões de reais.
Após todos os esclarecimentos, vários funcionários se manifestaram em favor da paralisação já que o município até o momento não apresentou nenhuma proposta ou indício de regularização das questões enfrentadas pelos trabalhadores.
Ao ser colocado em votação a possibilidade de deflagração da greve, dos 127 servidores do município presentes na assembleia, somente 4 (quatro) funcionários votaram em desfavor, sendo, portanto aprovado, ocasião em que foi eleita  uma comissão que irá elaborar  o calendário de mobilização e manifestação sendo, portanto definido a greve dos servidores públicos do município, á partir do dia 28, segunda-feira.
A greve deverá ter início com um ato em frente à prefeitura, às 9h, após uma caminhada por algumas vias da cidade para informar à população sobre os motivos da greve.